Vai começar a Superliga. E daí?

por Daniel Bortoletto em 24.out.2014 às 17:44h

Vai começar, neste sábado, a Superliga, em sua versão masculina. Deveria haver um euforia no ar, expectativa para rever grandes craques da Seleção Brasileira atuando no país, conhecer os estrangeiros que chegaram ou rever os que ficaram, já ter hora marcada no calendário para ver a abertura pela TV… Ops! Não é bem por aí!

A principal competição do país começa sem empolgação, dividindo espaço com estaduais, sem transmissão pela televisão da partida inicial e com clubes e jogadores reclamando da CBV.

Pensei bastante antes de escrever estas primeiras linhas. Não queria ser chato demais ou parecer muito pessimista. Também não queria ser injusto, diminuindo um produto que tem suas qualidades. Então, vou ponto a ponto para tentar ser o mais didático possível:

1) O jogo de abertura da competição é Minas x UFJF. Alguns podem até chamar de clássico mineiro. Outros vão relembrar dos títulos e momentos dourados que a equipe tradicional já teve. Mas não é um jogo para abrir o torneio, com todo respeito que os dois envolvidos merecem. Não são participantes hoje, na lista dos favoritos. Não são times que possuam craques renomados no elenco. Não seria melhor fazer um jogo inaugural com mais peso?

2) Um outro problema ajuda a explicar a pergunta anterior que deixer sem resposta. A Superliga vai começar sem alguns Estaduais terminarem, algo que impossibilita vários times de peso de abrirem a Superliga. Amanhã, por exemplo, é dia da final do Paulista entre Sesi x Funvic/Taubaté, horas antes de Minas x UFJF. Uma falha do calendário, que tira o foco da competição nacional. Certamente, o Estadual receberá mais atenção da mídia do que a Superliga.

3) Para reforçar o item acima, analisem a grade de TV. O SporTV transmitirá às 13h o confronto que vale o caneco em São Paulo. Quatro horas depois, o duelo mineiro não terá transmissão. Sabem um dos motivos: ele acontecerá quase no mesmo horário de uma rodada cheia do Brasileirão de futebol. E vocês não vão querer que o vôlei ganhe a competição com o esporte número 1 do país, né? Mais uma falha grave organizacional.

4) Para encerrar o assunto TV, um dos temas mais comentados na apresentação da Superliga, em SP, no início da semana, foi a mudança no formato das finais da Superliga. Os clubes, reunidos com a CBV, optaram por decisão em melhor de três jogos. Queriam repetir o que o Novo Basquete Brasil fez, com sucesso. Como todos sabemos, a Globo, detentora dos direitos do vôlei no país, não aceitou e a CBV voltou atrás. E uma decisão que chegou a ser anunciada (e comemorada) se transformou em foco de insatisfação, com atletas e dirigentes dos clubes reclamando publicamente.

É pelo cenário acima que a Superliga vai começar, infelizmente, sem ter muito o que comemorar.

 

VÍDEO: Central cubano vira oposto e dá show

por Daniel Bortoletto em 24.out.2014 às 9:02h

O cubano Simon é um dos melhores centrais do mundo. Acho que ninguém tem dúvida disso, né?

Atuando agora na Coreia, ele se transformou em oposto. E pelo vídeo que compartilho com vocês dá para perceber que o cubano está bem adaptado à nova função.

Dou apenas um “desconto” pela Liga Coreana não ser das mais fortes do planeta, com jogadores bem mais fracos e baixos do que Simon.

 

Peneira do Brasil Kirin

por Daniel Bortoletto em 23.out.2014 às 16:14h

Essa é para quem me escreve perguntando por peneiras Brasil afora.

Abaixo, íntegra do comunicado do Brasil Kirin anunciando evento para o mês de dezembro. Tempo de sobra para os pais se programarem.

Pelo quinto ano consecutivo, o Vôlei Brasil Kirin abrirá os portões do Ginásio do Taquaral para receber jovens nascidos entre 1995 e 2000 que sonham em se tornar um atleta profissional de voleibol. As peneiras irão selecionar jogadores para as categorias Sub-17, Sub-19 e Sub-21.

A seleção começa no dia 13 de dezembro, sábado, a partir das 13h para atletas nascidos entre 1999 e 2000 (Sub-17). No domingo, 14 de dezembro, será a vez dos jovens que nasceram entre 1995 e 1996 (Sub-21) passarem pela avaliação, a partir das 8 horas. No mesmo dia, às 14h, os interessados em integrar a categoria Sub-19 (nascidos entre 1997 e 1998) farão os testes, que continuam no dia seguinte (15/12) pela manhã.

Serão oferecidos alojamentos para os atletas que vierem de outras cidades/estados. Para mais informações, inscrições e reservas dos quartos, os interessados deverão encaminhar um e-mail para secretaria@voleibrasilkirin ou entrar em contato pelo telefone (19) 3237-2730.

Serviço:

Sub-17 (1999/2000)
Data: 13 de dezembro de 2014
Horário: 13h

Sub-19 (1997/1998)
Data: 14 de dezembro de 2014
Horário: 8h

Sub-21 (1995/1996)
Data: 14 de dezembro de 2014
Horário: 8h30

Informações, inscrições e reservas de alojamentos: (19) 3237-2730 ou secretaria@voleibrasilkirin.com.br

VÍDEO: O vôlei de 50 anos atrás

por Daniel Bortoletto em 22.out.2014 às 16:30h

Como era o vôlei em 1964, na Olimpíada de Tóquio?

Vale a pena gastar 15 minutos de sua vida para ver como foi a estreia olímpica da modalidade.

Quem está acostumado como jogadas velozes, muita pancadaria, vai estranhar bastante. Alguns momentos dos jogos parecem estar em outro ritmo, uma rotação diferente. Mas esse é o charme de um tempo romântico, amador, que não volta mais. E mostra como a evolução técnica foi grande até hoje.

 

Funvic/Taubaté atropela o Sesi

por Daniel Bortoletto em 20.out.2014 às 23:15h

Mesmo jogando na casa do Sesi, o Funvic/Taubaté mostrou sua força, na noite desta segunda-feira.

Pela primeira partida das finais do Paulista, vitória categórica por 3 sets a 0, parciais de 25-21, 25-23 e 25-18 (com direito a ponto “de defesa” do líbero Felipe). Agora, para perder o título, o time de Rapha, Lorena, Sidão, Dante, Chupita e Felipe precisará ser derrotado e perder ainda o golden set na partida que será disputada em Taubaté, no sábado.

Para quem está menos habituado com regras, o golden set é usado em algumas competições europeias. Ele funciona como um set desempate, evitando que finais que tenham uma vitória para cada lado sejam definidas em um terceiro jogo, por exemplo. Particularmente, não gosto da regra. Mas deixa pra lá…

No jogo desta segunda, o saque de Taubaté acabou com o passe do Sesi, que começou com Lucarelli e Mão como pontas. Na metade do segundo set, Marcos Pacheco apostou no jovem Douglas, no lugar de Mão. O ataque até ganhou força, mas nada que tirasse o Funvic do domínio das ações. E olha que o time perdeu Sidão, com dores na panturrilha, no começo da segunda parcial.

Para ter chance no sábado, o Sesi precisará do passe para que Marcelinho jogue com Lucão ou faça jogadas mais velozesao com Lucarelli. Caso contrário, a força de Lorena, Chupita & Cia. vai prevalecer.

Mari Paraíba volta para “casa”

por Daniel Bortoletto em 20.out.2014 às 23:02h

Finalmente a confirmação da notícia que os fãs do Camponesa/Minas esperavam. Mari Paraíba voltará a defender o time de Belo Horizonte nesta temporada.

Mari pelo Minas (Divulgação)

Mari pelo Minas (Divulgação)

A ponta, que joga as quartas de final do Paulista pelo Bauru (perdeu hoje o primeiro jogo para o Molico/Osasco por 3 a 1), voltará a defender o clube que traz boas lembranças para ela e para os torcedores. A apresentação acontecerá após a eliminação do time do interior no Campeonato Estadual.

Foi nas quadras do Minas Tênis Clubes que Mari Paraíba viveu sua melhor fase no vôlei, na temporada 2011/2012.

De lá pra cá, a vida de Mari mudou demais. Ela virou musa do vôlei ao posar para a Playboy ( http://wp.me/p1b2tr-11u http://wp.me/p1b2tr-10y  http://wp.me/p1b2tr-X2), se arriscou no vôlei de praia e agora tenta reencontrar suas melhores atuações, após passar por Barueri, Bauru, além de uma frustrada tentativa do Maranhão em contratá-la.

Se para Mari a volta para o Minas deve ser comemorada como retomada da carreira, imagino que para o time de Marco Queiroga a recíproca é verdadeira. Com Ju Nogueira voltando de lesão, Walewska e Carol Gattaz como centrais, Lia na saída de rede, a equipe ganha ainda mais corpo (sem trocadilhos) com Mari Paraíba como opção na ponta para a Superliga.

 

Hegemonia mantida em Minas

por Daniel Bortoletto em 20.out.2014 às 9:39h

Sem muito trabalho, o Sada/Cruzeiro conquistou, neste fim de semana, o pentacampeonato mineiro.

Na final, vitória tranquila sobre o Minas por 3 a 0, parciais de 25-15, 25-16 e 25-15. Filipe e Wallace fizeram dez pontos cada.

Pelo nível atual de investimento dos rivais, um resultado lógico. Mas eu esperava sets um pouco mais disputados.

Pensando na Superliga, o campeão Sada é, mais uma vez, favorito ao título. Já o Minas, que em anos anteriores se meteu entre os primeiros, vai brigar para entrar entre os oito dos playoffs.

Sada/Cruzeiro: William, Wallace, Filipe e Leal, Éder e Isac e o líbero Serginho. Entraram: PV e Lucas Salim. Técnico Marcelo Mendez.

Minas: Everaldo, Franco, Canuto, Yadrian, Otávio, Pétrus e o líbero Lucianinho. Entraram: Felipe, Madaloz, Thiago e Flávio. Técnico Nery Tambeiro.

De olho no Funvic/Taubaté

por Daniel Bortoletto em 17.out.2014 às 23:43h

Como esperado, o estrelado Funvic/Taubaté se classificou para a final do Paulista masculino, eliminado o esforçado São José na semifinal, nesta sexta-feira, com vitória por 3 a 1. Agora a disputa do título será contra o Sesi, que eliminou o Brasil Kirin.

A equipe de Taubaté pode ser time a ser batido na próxima Superliga. Pelo nível das contratações, a equipe paulista tem tudo para fazer frente aos demais favoritos para o título da competição nacional. Para isso, precisa, inicialmente, entrosar seus selecionáveis.

Apesar da convivência de Rapha, Sidão, Chupita e Felipe durante Liga e Campeonato Mundial, ainda é precisa entrosar o quarteto com o restante do grupo titular: Dante, Lorena e Maurício. Quando Cezar Douglas conseguir fazer esta base titular se entender melhor, o Funvic/Taubaté pode ser um verdadeiro bicho-papão.

A decisão contra o Sesi promete ser um bom aperitivo. Marcelinho, Theo, Escadinha, Lucarelli, Lucão… Um outro time estrelado e com potencial para ir longe em qualquer competição.

Vale a pena acompanhar esta final do Paulista.

 

E começam a sair os campeões estaduais

por Daniel Bortoletto em 17.out.2014 às 23:27h

Os principais campeonatos estaduais do país começaram a conhecer os campeões.

Nesta sexta-feira, o Mineiro feminino viu a lógica prevalecer em Uberlândia. O Dentil/Praia Clube faturou a competição pela quarta vez em sua história ao vencer o Camponesa/Minas por 3 a 0, parciais de 25-19, 25-17 e 25-16.

A partida marcou ainda a estreia de Tandara na equipe do Triângulo. A cubana Daymi Ramirez foi a maior pontuadora da decisão, com 14 acertos.

Bem reforçado para a temporada 2014/2015, o Dentil/Praia Clube tem, no papel, time para brigar pelo título nacional. É preciso dar tempo para Ricardo Picinin entrosar Tandara com o restante do elenco.

Já o tradicional time de BH conseguiu montar uma base melhor do que a dos últimos anos. Ainda assim, pouco para sonhar com uma semifinal, por exemplo.

Neste sábado, às 16h, no Ginásio do Riacho, será conhecido o campeão mineiro masculino. E mais uma vez a decisão será entre Sada/Cruzeiro e Minas.

Hoje, os cruzeirenses passaram por Montes Claros por 3 a 0 na semifinal, com um triplo 25 a 22. Leal (outro cubano) foi o maior pontuador da partida: 15 acertos. Já o Minas teve mais trabalho para eliminar a UFJF por 3 a 1, parciais de 26-28, 25-18, 27-25 e 25-15.

Nos dois encontros anteriores entre os rivais na competição, duas vitórias do Sada: 3 a 2 e 3 a 0.

 

 

Murilo passa por nova cirurgia no ombro

por Daniel Bortoletto em 17.out.2014 às 11:14h
Foto de Murilo após a primeira cirurgia no ombro (Reprodução Instagram)

Foto de Murilo após a primeira cirurgia no ombro (Reprodução Instagram)

O ponta Murilo deverá voltar às quadras para defender o Sesi apenas no início do próximo ano, perdendo o início da Superliga.

Ele passou por uma nova cirurgia no ombro, na terça-feira, e o prazo estimado para volta aos treinos é de dois meses.

 

Segundo o Sesi, “a intervenção não tem absolutamente nenhuma relação com a cirurgia realizada em maio de 2013. Trata-se de corrigir uma anomalia que provocava sobrecarga no ombro, gerada por uma atrofia dos músculos do ombro do Murilo, característica física genética do jogador”.

A ressalva feita pelo clube é importante pois a outra cirurgia foi muito mais delicada.

Titular da Seleção Brasileira, Murilo vinha nitidamente limitando suas atuações pelo problema no ombro. No Mundial, por exemplo, foi o jogador menos acionado por Bruninho nos ataques, tendo como função principal equilibrar o passe da equipe.