A pausa de Matt Anderson serve como alerta

por Daniel Bortoletto em 30.out.2014 às 10:47h
Matt Anderson resolveu se afastar das quadras (Divulgação)

Matt Anderson resolveu se afastar das quadras (Divulgação)

“Estou cansado do vôlei”.

Matt Anderson, um dos pilares da seleção dos Estados Unidos, anunciou ontem que vai dar uma pausa na carreira.

Aos 27 anos, ele aponta a depressão e a saudade de casa e dos familiares como fatores que motivaram a decisão, que foi anunciada através do site do Zenit Kazan, clube que ele defendia na Rússia. Segundo o americano, a situação ficou mais crítica no início desta temporada.

– Desde que passei a jogar profissionalmente, eu quase não tive chance de ver minha família. Por isso eu não me sinto bem e tive de lidar com o estresse. Eu pensei que poderia suportar e superar a depressão, mas eu estava errado – disse o jogador.

Anderson deixa claro que não está se aposentando, mas dando um tempo.

– Acho que essa pausa vai me ajudar a voltar a ter paixão e amor pelo jogo.

Uma pena ver um jogador deste nível, que ainda poderia atingir o ápice da carreira, com um problema tão sério. Serve para todos repensarem o calendário do vôlei mundial, que muitas vezes é cruel com os atletas selecionáveis, obrigados a emendar a temporada dos clubes com as competições de seleções.

Anderson iniciou sua carreira profissional em 2008, após ser destaque na NCAA, a liga universitária americana. Seu primeiro time foi o Hyundai, da Coreia.  Dois anos depois, passou a jogar na Itália, pelo Vibo Valentia. Naquele momento, já era um dos principais nomes da seleção americana. Na temporada seguinte, se transferiu para o Modena.  E, desde 2012, estava no Zenit Kazan, um dos times mais fortes da atualidade.

Na Rússia, Anderson ajudou o Zenit a ganhar o campeonato do país e foi eleito o melhor jogador.  Pela seleção dos EUA, o grande título foi conquistado este ano, na Itália: a Liga Mundial.

Colunista convidado – Ana Moser: A hora do esporte

por Daniel Bortoletto em 30.out.2014 às 10:03h

Passadas as eleições, é hora de voltar nosso foco para alguns dos principais desafios que a presidente reeleita Dilma Rousseff terá de enfrentar ainda nesses meses que restam de 2014 e nos próximos quatro anos, como o esporte no País.

Nós, da Atletas pelo Brasil, estamos trabalhando de forma estruturada desde os Jogos Pan-Americanos de 2007 para que nosso País melhore por meio do esporte. Viemos construindo e defendendo uma plataforma junto ao governo, em âmbito federal, estadual e municipal, para que a pasta do esporte seja considerada com mais atenção e receba a importância que merece. Nesse período avançamos muito em termos de debate, estruturação e planejamento e seguimos um caminho fundamental, tanto para a população quanto para os gestores públicos. Porém, ainda estamos longe de onde deveríamos estar.

No início de agosto, divulgamos uma carta aberta a todos os candidatos à presidência da República. O documento teve impacto nos programas de governo dos postulantes ao cargo e mantivemos conversa com eles. Esperamos maior reconhecimento da importância da estruturação de um Sistema Nacional de Esporte na gestão e no funcionamento, especialmente em relação às pessoas que façam com que o esporte aconteça de Norte a Sul no País. Queremos aprofundar e amadurecer esse entendimento.

A nossa visão dos benefícios que o esporte traz vai muito além da ideologia simplista que as competições refletem nos resultados e nos quadros de medalhas. Acreditamos que todos têm direito à prática do esporte, à prática motora, ao desenvolvimento das suas capacidades pessoais, físicas e mentais, conforme a Constituição e o Estatuto da Criança e do Adolescente.

Além disso, o esporte é ferramenta indispensável no desenvolvimento e na formação do caráter e dos valores. O Brasil será um grande país e, com certeza, uma potência esportiva no dia em que a cultura da prática esportiva estiver disseminada junto à população, tanto com crianças e adolescentes nas escolas quanto com os demais cidadãos em suas cidades. Uma população ativa, saudável e feliz vai gerar menos gastos aos órgãos públicos.

Existe uma tendência muito grande de se enxergar apenas o esporte que está mais visível, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas. Elevar o número de medalhas é muito mais oportuno. Mas a base do esporte de rendimento, de qualidade é uma nação ativa. Temos trabalhado para debater essa questão. Queremos garantir para todas as crianças do País uma carga de prática motora condizente com parâmetros internacionais. A Organização Mundial de Saúde, por exemplo, recomenda o mínimo cinco horas semanais por aluno. Sabemos, porém, que estamos muito longe do patamar em nossas escolas públicas e particulares.

Temos que resolver esse e outros itens, como a estruturação de um sistema que se alinhe em âmbitos federal, estadual e municipal e estabeleça o que compete a cada instância, qual é a responsabilidade de clubes, federações e confederações. Há que se discutir também qual é a participação da sociedade, das instituições sociais que fazem esporte para todos e tornar esse processo e fazer visível.

O brasileiro gosta de esporte e assiste na televisão, mas não tem a cultura no dia a dia, o que provoca efeito em todos as esferas, inclusive na gestão pública. Gostaríamos de ver a pasta do esporte com importância maior. Se olharmos nas cidades-sede da Copa do Mundo, a média de dinheiro destinada para o esporte é bem menor do que 1% do orçamento municipal. Se fizermos uma comparação com outras pastas que lidam com pessoas, como educação e saúde, ficará desproporcional.  Poderíamos economizar bilhões de reais por ano na saúde, principalmente quando se fala de doenças como diabetes, pressão alta, colesterol, problemas circulatórios e neurológicos, se a prática esportiva estivesse no dia a dia da população. É cientificamente provado que a atividade física regular previne esses tipos de doenças.

Quanto mais a área esportiva conseguir enxergar e atrelar seu trabalho a essas frentes, mais obterá a percepção da população e dos próprios dirigentes quanto à sua importância. É um caminho que nós da Atletas pelo Brasil temos apoiado e contribuído com uma série de instituições que estão na mesma empreitada para desenvolver o esporte de maneira ampla.

Em 2013, conseguimos que a Lei Pelé fosse alterada com uma série de questões importantes, como a transparência na prestação de contas e contratos, participação dos atletas nos processos eleitorais das federações e confederações e nas discussões sobre as regras e a estruturação dos campeonatos e de instituições esportivas. A vigência começou em abril desse ano, exceção à maneira com que os atletas devem participar do processo eletivo. Só temos a ganhar com a participação e o amadurecimento político da classe dos atletas.

Mais recentemente, apoiamos um movimento para estabelecer um acordo setorial, entre as empresas que patrocinam o esporte, para também exigirmos o cumprimento dos parâmetros que constam em lei a respeito das entidades patrocinadas. Ou seja, existe um movimento em curso e estamos caminhando para melhoria dessa estrutura de gestão do esporte. Não será processo rápido, mas criará mudanças significativas em nosso País. Queremos contar com o governo para alcançarmos o objetivo de um futuro melhor para o esporte afim de que o Brasil seja um país mais saudável.

*Artigo escrito com exclusividade ao LANCE! por Ana Moser, presidente da Atletas pelo Brasil e Instituto Esporte & Educação, publicado nesta quinta-feira

E o São Caetano aprontou de novo

por Daniel Bortoletto em 30.out.2014 às 8:13h

O São Cristovão/Caetano, contra quase todos os prognósticos, é o primeiro finalista do Paulista feminino.

Na noite desta quarta-feira, o time comandado por Hairton Cabral derrotou o Sesi, pela segunda vez na semi, no tie-break, parciais de 25-20, 25-16, 21-25, 22-25 e 15-9.

Hoje, a equipe do ABC saberá a disputa do título será contra o favorito Molico/Osasco ou contra o Pinheiros.

Esse tipo de classificação, com o pequeno desbancando o grande, sempre traz um “ar novo” para o esporte, às vésperas do início de uma Superliga.

Parabéns ao São Caetano pelo feito! E alerta ligado no Sesi antes da largada na competição nacional.

Vaivém: Jaqueline e Minas. Ela admite contato

por Daniel Bortoletto em 29.out.2014 às 13:09h

Reprodução de matéria do Estado de Minas, publicada hoje, sobre o interesse do Camponesa/Minas em Jaqueline: http://www.lancenet.com.br/minuto/Jaqueline-acerto-Minas-presidente-jornal_0_1238876186.html

PS: Atualizado às 17h, com a declaração da atleta sobre a negociação: http://www.lancenet.com.br/mais-esportes/Jaqueline-deixar-Paulo-Minas-proposta_0_1238876223.html

Musa já tem apresentação marcada no Minas

por Daniel Bortoletto em 29.out.2014 às 10:39h
Mari de volta ao Minas (Divulgação)

Mari de volta ao Minas (Divulgação)

Confirmada ontem como reforço do Camponesa/Minas para a Superliga, Mari Paraíba será apresentada em Belo Horizonte nesta quinta-feira, às 11h.

Aos 28 anos, a ponta retorna ao clube após duas temporadas, uma aventura no vôlei de praia e a exposição como musa do esporte após posar para a Playboy, em 2012. Escrevi sobre a volta dele, após passagem pelo Bauru, dias atrás: http://blogs.lancenet.com.br/volei/2014/10/20/mari-paraiba-volta-para-casa/

A provável reestreia de Mari Paraíba deve acontecer no dia 11 de novembro, às 19h30, na Arena Minas Tênis Clube, contra o Pinheiros.

 

As “zebras” se espalham pelos Estaduais

por Daniel Bortoletto em 29.out.2014 às 9:41h

Na segunda-feira foi a vez do São Cristovão/São Caetano derrubar o Sesi na abertura das semifinais do Paulista feminino. Ontem, o Pinheiros deu sequência às surpresas, fazendo um incontestável 3 a 0 no poderoso Molico/Osasco.

Comparando as duas zebras, a do Pinheiros se torna maior pelo fato da escalação da equipe de Luizomar de Moura. Dani Lins, Mari, Carcaces, Thaisa, Adenízia, Camila Brait… Meia Seleção Brasileira e mais duas jogadoras de nível internacional. Por mais que ainda pesem a falta de treinamento do grupo todo junto e a consequente falta de entrosamento de algumas delas, é um resultado que o Pinheiros deve comemorar demais.

As destaques da equipe da capital, muito bem comandada por Wagão, foram a oposto Rosamaria e a ponta Ellen, que marcaram 17 pontos cada. Pelo lado do Molico, Carcaces e Adenízia anotaram dez cada.

Agora o Molico fica na mesma situação do Sesi. Ambos precisam vencer o jogo de volta e o golden set. Será que teremos a final das zebras como prévia da Superliga?

E, por falar em surpresas, mais um resultado surpreendente, agora vindo do Rio Grande do Sul. O Canoas foi derrotado, no encerramento da fase de classificação do Gaúcho masculino, pelo Bento por 3 a 1 (25-17, 23-25, 25-20 e 25-22). Com o resultado, o time de Gustavo, Quiroga, Minuzzi & Cia. ficou atrás do Voleisul e terá de encarar novamente a equipe de Bento Gonçalves na semifinal.

O Bento, que já foi um celeiro de bons jogadores, jogará a Superliga B e tem no elenco jogadores que tranquilamente jogariam na elite. O time conta com Rívoli, Tuba, Dentinho, Reffatti…

O “jogo santo” da Superliga

por Daniel Bortoletto em 29.out.2014 às 9:19h

Material bem legal publicado no LANCE! hoje. Reportagem de Jonas Moura com o palco do duelo entre São José x Sada/Cruzeiro: Aparecida do Norte.

http://www.lancenet.com.br/volei/Jogo-estreia-campeao-estreante-Superliga_0_1238276401.html

http://www.lancenet.com.br/volei/Catolicos-Sada-Cruzeiro-Jose-expectativa_0_1238276320.html

São Caetano surpreende e fica perto de final

por Daniel Bortoletto em 28.out.2014 às 9:37h

O São Caetano deu, na noite de ontem, um passo importante para conseguir a surpreendente classificação para a  decisão do Paulista feminino.

Em casa, no Lauro Gomes, vitória sobre o favorito Sesi por 3 sets a 2, parciais de 29-27, 15-25, 25-23, 25-16 e 15-13.

Agora, o time da capital terá de vencer o jogo de volta, na quarta-feira, e o golden set para impedir a zebra do ABC. Vale lembrar ainda que o Sesi estava invicto até então na competição.

Admito que é bom ver o “renascimento” de times tradicionais, como o São Caetano. Time que já teve patrocinadores de peso (o último foi a Blausiegel) e brigou por título, abarrotado de selecionáveis (Mari, Sheilla e Fofão, por exemplo). Time que também já ficou à mingua, em várias ocasiões, mas nunca deixou de estar presente nas grandes competições.

Parte do mérito do Sanca está no banco de reservas. O bom Hairton Cabral, que possui vários trabalhos dignos de elogios com times de menor orçamento, é o treinador.  É bom ficar de olho nesta equipe!

Frase do dia

por Daniel Bortoletto em 27.out.2014 às 16:37h

“Profundamente ENVERGONHADA com o papelão de alguns atletas do meu voleibol. Espalham ódio, preconceito e falta de respeito pela democracia”

Ana Moser, no Twitter, no fim da tarde desta segunda-feira.

O vôlei brasileiro na TV durante a semana

por Daniel Bortoletto em 27.out.2014 às 16:31h

HOJE – 21h (São Caetano x Sesi) – primeira semifinal do Paulista feminino – SPORTV2

TERÇA – 21h (Molico/Osasco x Pinheiros) – primeira semifinal do Paulista feminino – SPORTV2

QUARTA – 19h (Sesi x São Caetano) – segunda semifinal do Paulista feminino – SPORTV

QUINTA – 18h30 (Pinheiros x Molico/Osasco) – segunda semifinal do Paulista feminino – SPORTV

QUINTA – 21h (São José x Sada/Cruzeiro) – primeira partida transmitida da Superliga masculina – SPORTV