Santiago ‘Guina’ não é só mais um Silva



Santiago Silva pode reforçar o Vasco (Foto: Juan Mabromata/AFP)

Santiago Silva pode reforçar o Vasco (Foto: Juan Mabromata/AFP)

Santiago Silva está longe de se destacar por sua habilidade. Não é, nunca foi e nem teve a pretensão de ser um jogador de dribles bonitos e jogadas sensacionais. É um brigador, um cara que se doa em campo e assim foi durante toda a sua carreira.

É o ‘Guiñazu do ataque’.

El Tanque é exatamente o oposto de Julio dos Santos, por exemplo. O que falta de garra no paraguaio, sobra no uruguaio. Em contrapartida, tecnicamente o meia sobra em cima do atacante. Um complementa o outro e juntos podem dar certo.

Santiago pode não ser o grande camisa 9, goleador e cerebral que alguns esperavam, mas para quem não tem nada, metade é o dobro. Aliás, no atual momento do Vasco, se vier, tem tudo para se dar bem.

É um jogador que rejeita qualquer sonolência em campo, sua e de seus companheiros. Seria um parceiro para Guina no comando da equipe em campo. Experiente, com brio, marca seus ’15 golzinhos’ todo ano e joga com o coração, algo que a torcida vascaína costuma reconhecer e aplaudir.

O ex-Boca Juniors não tem vergonha de fazer gol de canela, trombando com o zagueiro, se jogando de cabeça na trave… E o Vasco precisa disso, alguém que lute pelo time. Se financeiramente for viável, pode ser uma boa.

Para quem passou os últimos anos vendo jogadores literalmente andando em campo e pouco se importando com as derrotas, ter um cara como Santiago Silva vestindo o manto cruz-maltino anima.

Não é ‘só mais um Silva’, como tantos que chegaram ao Vasco. Se vier, pode ajudar bastante.

Respeito tem sido a palavra de ordem desde o retorno de Eurico Miranda ao poder e isso o uruguaio sabe impôr. Nem que seja à força.

Facebook – https://www.facebook.com/BlogDoGarone
Twitter – https://twitter.com/BlogDoGarone



MaisRecentes

Thiago Galhardo ultrapassa Wagner e Andrey no Troféu Ademir Menezes



Continue Lendo

O indefensável



Continue Lendo

Reforços que não jogam: uma prática comum no Vasco há mais de duas décadas



Continue Lendo