A saída de Douglas Luiz do Vasco



Douglas Luiz foi negociado com o Manchester City (Foto: Paulo Sérgio/Lancepress)

Douglas Luiz foi negociado com o Manchester City (Foto: Paulo Sérgio/Lancepress)

Era questão de tempo a saída de Douglas Luiz do Vasco. Mas foi rápida demais – se confirmada sua venda ao Manchester City.

E na pior hora possível: após perder o clássico para o Flamengo e ficar sem o seu maior reforço na temporada, São Januário. Agora, também fica sem o jogador de onde mais se esperava algo, fosse pela qualidade ou pela juventude.

No atual elenco vascaíno, é o único que reúne as duas qualidades.

Era.

Douglas foi a única boa notícia do Vasco em 2016. Possivelmente, a maior revelação do clube desde Philippe Coutinho – mas isso só o tempo dirá.

Ao contrário do atual camisa 10 do Liverpool, entretanto, deixa São Januário já estabelecido entre os profissionais, como destaque na categoria principal e não apenas como promessa da base.

Coutinho foi – mal – vendido aos 16 anos, para a Inter de Milão, antes de estrear em cima. Era uma aposta. DG se despede do Vasco quando caminhava para ser eleito uma das revelações do Brasileirão – apesar da queda de rendimento nos últimos jogos -, o que o valorizaria ainda mais.

O fato de ser a maior venda da história do Cruz-Maltino, se confirmados os valores e o acerto com os ingleses, não faz da transação um excelente negócio – financeiramente, bom -, apenas mostra o tamanho da dificuldade que o clube tem em vender suas revelações por bons valores.

O pior, entretanto, é que dificilmente terá uma reposição à altura. Esse dinheiro não será revertido em grandes contratações, mas sim para tampar os buracos deixados durante todo o ano. Assim como foi com Luan.

O Vasco vendeu o zagueiro para o Palmeiras e repôs com atletas que chegam apenas por empréstimo (Breno e Paulão). Bruno Paulista talvez seja o substituto natural de Douglas, mas também chega com contrato curto, assim como a maioria dos reforços anunciados nesta temporada.

Aparentemente, o clube troca três anos com suas pratas da casa em campo por um elenco inchado e caro até o fim da temporada, se tornando um time com data de validade curta – em vários sentidos – e em eterna construção.

Em São Januário não se vende para investir, mas sim para pagar o que já foi gasto – ou será até o fim do ano. O planejamento – chamem como quiser -, ao que aparenta, é sobreviver até dezembro, desportivamente e financeiramente.

Financeiramente é um bom reforço para o clube, que sofre para acertar suas despesas. Tecnicamente, porém, pode comprometer ainda mais um ano que já apontava ser de dificuldades para a equipe, exatamente pelos dois setores não estarem ligados.

A verdade é que, no Vasco, uma boa venda não é sinônimo de grandes investimentos no futebol. Portanto, ao torcedor, resta apenas a dor da perda.

Ao treinador, mais um buraco para ser preenchido.



MaisRecentes

Mudança no Vasco precisa ir além de Valentim



Continue Lendo

Aproveitamento de Valentim foi inferior ao de Zé Ricardo e outros 11 técnicos que passaram pelo Vasco nesta década



Continue Lendo

O óbvio



Continue Lendo