O Vasco de Luxemburgo



Luxemburgo venceu a primeira com o Vasco em 2021 (Foto: Rafael Ribeiro/Vasco)

Quando Vanderlei Luxemburgo foi contratado pelo Vasco em 2019, escrevi aqui que a mudança de treinador causava no torcedor um sentimento similar ao do réveillon. Como se à meia-noite tudo de ruim ficasse para trás e um novo ano, lindo e belo, estivesse à sua frente.

Na ocasião, a mudança não foi tão rápida. Luxa precisou de quatro jogos até vencer o primeiro duelo, contra o Internacional – empatou com Avaí e Fortaleza, e perdeu para o Botafogo. Agora, porém, as ondinhas puladas à beira-mar parecem ter ajudado nas súplicas vascaínas.

Veja bem, não é que simplesmente o Vasco voltou a vencer. Nem mesmo é pela diferença de três gols imposta sobre o Botafogo, algo que o time não alcançava num clássico carioca desde 2010, quando repetiu o placar sobre o Fluminense – gols de Thiago Martinelli, Dodô e Fagner. Mas é pela forma com que vem se comportando em campo.

O início de 2021 do Cruz-Maltino sob o comando de Luxemburgo, dá a sensação de que 2020 não aconteceu. Assim como para muitos de nós, em quarentena, é como se o ano tivesse sido uma grande segunda-feira. E, como se sabe, segunda não é dia de futebol. Ao menos não de um bom futebol.

Luxemburgo mudou isso.

Em duas partidas com o técnico – principalmente nos 45 minutos iniciais de cada uma -, o Vasco foi o que não havia sido com Abel Braga, Ramon e Sá Pinto nem por um instante: agressivo com e sem a bola. Mas, se engana quem acha que é algo simplesmente motivacional, apesar de Vanderlei ter essa característica. O bom desempenho passa também pela organização.

Reparem bem nos três gols marcados sobre o Botafogo.

Antes de Henrique cruzar para Talles Magno marcar, a jogada já havia sido construída por Pikachu e Cayo Tenório na direita e chegado aos pés de Leo Gil, no lado oposto. Cinco jogadores tocando na bola no campo adversário e mudança constante de lado antes dela ir para as redes.



Quando o lateral-esquerdo levantou a cabeça e olhou para a área, não viu apenas Cano, como vinha sendo nos jogos anteriores. Talles também estava lá, assim como Bruno Gomes, o primeiro volante de Luxa que não é responsável apenas por iniciar a transição, mas também de impedir a saída adversária. Assim como fez no segundo gol.

Bruno ganhou a segunda bola na intermediária ofensiva – foram cinco desarmes e uma interceptação no jogo – e cinco segundos depois ela já havia passado por Talles Magno, Caio Lopes e Germán Cano, antes de Andrey finalizar para marcar o segundo.



Pressão, aproximação e gol. Esse tem sido o retrato dos primeiros dias do Vasco de Luxemburgo.



MaisRecentes

Pikachu se torna um dos 15 maiores artilheiros do Vasco na história do Brasileiro



Continue Lendo

Pikachu ultrapassa Alecsandro no ranking de artilheiros do Vasco neste século



Continue Lendo

Benítez e Pikachu sobem no Troféu Ademir Menezes



Continue Lendo