Barbosa, o Maracanaço, o 7 a 1 e o medo de elogiar



Barbosa completaria 97 anos nesta terça (Foto: reprodução)

Nelson Rodrigues escreveu certa vez, antes da Copa de 58, assim: “Desde 50, que o nosso futebol tem o pudor de acreditar em si mesmo.” E seguiu: “E, hoje, se negamos o escrete de 58, não tenhamos dúvida: é ainda a frustração de 50 que funciona. Gostaríamos talvez de acreditar na seleção. Mas o que nos trava é o seguinte: o pânico de uma nova e irremediável desilusão.”

Pois troca-se 50 pelo 7 a 1 e vivemos exatamente o mesmo sentimento. Há um medo excessivo de se elogiar a Seleção. Digo até que existe um receio em sorrir diante de uma vitória brasileira. É como se qualquer palavra mais otimista fosse fazer a equipe de Tite desandar em campo. Como se os jogadores que lá estão já não soubessem de suas capacidades, e, por isso, um elogio aqui ou ali o fariam subir em um salto qualquer. Duvido muito.

No dia em que Barbosa, homem que carregou por anos o peso da frustração de uma nação inteira, completaria 97 anos se fosse vivo, o Brasil reencontrou o seu Maracanaço mais recente: a Alemanha. E venceu, com seu goleiro precisando fazer apenas uma defesa para assegurar o 1 a 0. Mérito de um forte sistema defensivo implantado por Tite.

É verdade que os alemães não estavam com força total, mas não dá para reduzir a nada um selecionado que conta com Draxler, Sané, Kroos, Gundogan, Goretzka e cia.

É um sinal de que o Brasil ganhará a Copa? É óbvio que não. Não seria esse o caso nem se tivesse devolvido o placar de 2014 com o time de Joachim Löw completo. Assim como a Argentina não deixa de ser uma das favoritas após ser goleada pela Espanha.

O que fica claro após os últimos amistosos, na verdade, é que o imprevisível continua sendo a grande mágica do futebol. E que os fantasmas conhecidos nem sempre assombram, mas novos podem surgir pelo caminho. Faz parte do esporte.

Em 58, a Seleção desacreditada do jovem Pelé, do velho Didi e do imprevisível Garrincha, levou a taça, trazendo a alegria a milhões que haviam se frustrado oito anos antes. Menos a Barbosa, que seguiu convivendo com a estigma do Maracanaço até sua morte, em 2000. Mesmo tendo sido um dos maiores goleiros do país, passou a ser visto apenas pelo dia do seu insucesso.

O brasileiro parece não conviver bem com suas feridas. Agora, repetimos o erro novamente.

Não há mal algum em elogiar a Seleção. Não é necessário esperar um título mundial para reconhecer que a equipe de Tite hoje é uma das favoritas ao título. O que não significa obrigação de conquista. Um compromisso que não cabe nem para a Alemanha, atual campeã, quem dirá para o Brasil, quarto colocado na última edição.

É importante para a Seleção superar seus fantasmas. Não apenas dentro de campo.

Afinal, se as cinco estrelas no uniforme não embutem nenhuma vantagem em campo, além de respeito e admiração, não seriam as pequenas manchas que a colocariam algumas prateleiras abaixo. Principalmente após as últimas apresentações.

* Trechos de Nelson Rodrigues retirados do livro “O berro impresso das manchetes”.



MaisRecentes

Mudança no Vasco precisa ir além de Valentim



Continue Lendo

Aproveitamento de Valentim foi inferior ao de Zé Ricardo e outros 11 técnicos que passaram pelo Vasco nesta década



Continue Lendo

O óbvio



Continue Lendo