publicidade


Prévia tática de Flamengo x Aguada

por Lucas Pastore em 21.mar.2014 às 0:05h

Nesta sexta-feira, a partir das 21h15, no Maracanãzinho, o Flamengo entra em quadra contra o Aguada, do Uruguai, na segunda semifinal da Liga das Américas de basquete. Jogando em casa, a equipe carioca enfrenta a pressão de ter de confirmar o status de favorita para sagrar-se campeão do torneio. E os números ofensivos mostram porque o time brasileiro chega com tanta pompa à fase decisiva.

Marquinhos (à direita): craque do Fla na Liga das Américas (Luiz Pires/LNB)

O ataque do Flamengo simplesmente sobra na competição. O clube marca, até aqui, 102,5 pontos por jogo, ou 130,9 pontos a cada 100 posses de bola, melhores índices da competição. Além disso, cobra 28,17 lances livres por partida e converte 50,5% dos arremessos de quadra que arrisca, liderando as duas estatísticas também. O Mengão só não aparece na ponta nas bolas de três pontos: com 38,5% de aproveitamento, é “somente” o terceiro colocado entre os oito que disputaram seis jogos na Liga das Américas.

Tudo isso com Marquinhos, destaque do Flamengo no torneio, tendo jogado apenas três partidas na competição. Os números do ala no campeonato são incríveis: 25 pontos em 27,3 minutos por jogo, com aproveitamento de 69,2% nos arremessos de quadra, 60% nas bolas de três pontos e 63,2% nos lances livres. Além disso, colabora com 4,33 rebotes, 1,33 roubadas de bola e uma assistência por exibição.

A presença de Marquinhos é fundamental para que o Flamengo funcione e atinja o máximo de eficiência. Talvez o jogador de perímetro brasileiro mais versátil em atividade, o camisa 11 pode ficar encarregado de marcar o maior pontuador adversário, liberando Marcelinho para gastar toda sua energia no ataque. No caso do Aguada, o cestinha é o ala-armador Leandro Garcia-Morales, com expressivos 27,17 pontos por exibição.

Além disso, pode exercer a função de point-forward, armando a equipe e permitindo que o argentino Laprovittola trabalhe apenas como um arremessador por algumas posses para se poupar e aguentar uma carga pesada de minutos.

Se Marquinhos estiver em um dia normal e ajudar o ataque do Flamengo a fluir com naturalidade, é difícil acreditar que o Aguada terá forças para equilibrar a partida. Mesmo com a equipe sofrendo 106,2 pontos a cada 100 posses de bola e tendo a segunda melhor defesa do quadrangular, atrás apenas do próprio Mengão, com 99.

Porém, por se tratar de um jogo decisivo, o Rubro-Negro precisará estar ligado com o máximo de sua atenção. Isso porque existem, sim, maneiras que o Aguada pode encontrar para complicar o jogo. E a principal delas está no garrafão.

A dupla titular de pivôs do time uruguaio é composta por dois americanos: Gregory Dilligard, de 2,03m, e Jeremis Smith, de 2,06m. Juntos, somam 27,33 pontos e 13,83 rebotes, sendo sete deles ofensivos, por jogo. E é aí que mora o perigo.

Na Liga das Américas, o Aguada tem média de 11,5 rebotes de ataque por partida, melhor marca entre os oito times que disputaram seis jogos empatada com a do Halcones, do México. Além disso, o clube uruguaio aproveita 34,33% das oportunidades que tem de coletar ressaltos da tábua ofensiva, melhor índice entre os semifinalistas.

Por sorte, o Flamengo também tem seu especialista em rebotes: o ala-pivô Olivinha, com média de 6,33 coletados em 24 minutos por exibição da Liga das Américas. Se ele fizer um bom trabalho – contendo principalmente Dilligard, que pega quatro ofensivos por exibição – o clube carioca coloca um pé na decisão.

Marquinhos em Garcia-Morales e Olivinha em Dilligard: Duelos importantes para o Flamengo (Foto: Reprodução/Tactical Pad)

Marquinhos em Garcia-Morales e Olivinha em Dilligard: Duelos importantes para o Flamengo (Foto: Reprodução/Tactical Pad)

Tags: , , ,

Um comentário para “Prévia tática de Flamengo x Aguada”

  1. rico disse:

    Bora galera…….

Deixe um comentário